domingo, 23 de novembro de 2008

Running


"A vida não podia ter sido mais directa. Ou indirecta. Tudo chegou a um ponto em que já nem eu própria o sabia o que dizer."
Aquela alma vagueava, fora do corpo, sem qualquer tipo de aura de esperança. Procurava um caminho longo para um fim rápido. Não pedia indicações. Tentava perder-se em cada árvore, em cada nuvem, em cada olhar... Mas rapidamente era forçada a voltar ao caminho. Tudo se passava à sua volta com uma velocidade incrível. Não havia tempo para parar. Não havia tempo para ver o sol ou para sentir a chuva, para cheirar uma rosa ou beijar um cravo; não havia tempo para implorar ao relógio nem para fugir de Cronos. Não havia sequer tempo para sorrir. A alma perdida já tinha tentado, mas os seus semelhantes gastavam muito do seu tempo a castigar os que tentavam ser felizes...
Temem o que não conhecem.
"Não sei o que me faz continuar, mas não é, de certeza, a vontade."
E assim seguia o seu caminho. Sem uma razão para continuar, mas também sem nenhuma razão para parar... Antíteses e ironias, pleonasmos e vazios... Nada que alguma vez fosse mesmo necessário...
Já não corria por simplicidade, mas também não conhecia a maldade. O pior de tudo continuava a ser a indiferença gerada pela saudade, que já nem os olhos da criança curavam...

2 comentários:

Anónimo disse...

gxtu de gxtar de ti nyuu :)

os noxos duetos, e os noxos momntos.. saudadx dixu :(

saga twilight rulaaa :D

3 de dezembro la xtamus nos xD

akele bjinho k xo dou a ti :)

Lipe

Rose disse...

Bem, se eu te inspiro, nem há explicação para determinar o que o teu texto me sugere =)

Escreves tão bem, amiga *.*

que saudades do teu abraço =')